Indústria 4.0
Postado 07/08/2020 09:40:38

Indústria 4.0

Por Miro Andretto Noronha


Indústria 4.0 ou também chamada de quarta revolução industrial, é um termo que surgiu na Alemanha em 2012, a partir de um projeto do governo de estabelecer a tecnologia como base para mudanças evolucionárias na indústria, conectando as máquinas, sistemas e ativos de maneira inteligente aos sistemas de produção. Automação, Tecnologia da Informação e inovações tecnológicas sintetizam este conceito.

Essa nova fase industrial, trará um impacto profundo e exponencial nos meios de produção, fundindo o físico com digital e biológico. Essa nova etapa da industrialização, tem como pilares: Manufatura Ativa, Inteligência Artificial, Internet Industrial das Coisas (IIoT), Big Data, Computação em Nuvem, Sistemas Ciber Físicos, segurança entre outros. São os avanços tecnológicos que permitem tal impacto. É um salto tecnológico que leva a automação ao máximo de sua potência, permitindo às máquinas executarem funções complexas, através de processamento de dados em tempo real.

Para ser considerado uma revolução, assim como as que precederam, as mudanças causadas devem provocar uma transformação radical na sociedade.

Cronograma das revoluções

1ª Revolução: em meados do século 18, a introdução de máquinas a vapor e ferrovias, retirou o uso de animais da equação para geração de força, provocando uma aceleração da produção artesanal e iniciando a ampliação do acesso de mais pessoas aos bens produzidos.

2ª Revolução: final do século 19 e começo do 20, com o advento da energia elétrica e a linha de produção, começa a produção em larga escala.

3ª Revolução: mais recente, se deu a partir da informática e da internet, que modernizou o trabalho em fábricas e escritórios.

Todas essas mudanças provocaram profundos impactos na maneira que a sociedade consumia, trabalhava e produzia, caracterizando-se assim como uma revolução.

Princípios

Existem 6 princípios da quarta revolução, que são:

  1. Tempo real: coletar e tratar grande quantidade de dados produzidos de maneira imediata, dando suporte a tomada de decisões;
  2. Virtualização: sensores espalhados em toda a planta fabril possibilitam o monitoramento de todos os processos de forma remota;
  3. Descentralização: transferir a tomada de decisões a própria máquina, que é capaz de se avaliar e se ajustar as necessidades em tempo real;
  4. Orientação a serviços: softwares como serviços, conectados com a indústria toda;
  5. Modularidade: módulos que se agregam e desagregam de acordo com a necessidade de demanda, atribuindo flexibilidade em processos e tarefas;
  6. Interoperalidade: máquinas e sistemas podem comunicar-se entre si.

 

Desafios para o Brasil

A indústria 4.0 traz grandes desafios para a realidade brasileira, mas abre também um horizonte de oportunidades e possibilidades, entre elas estão a formação de novos modelos de negócios, redução de custos, customização da produção, maior controle sobre os processos, diminuição do consumo de energia e redução com custos de manutenção de máquinas e com isto um ganho em eficiência. Há um caminho longo a ser percorrido pelas indústrias brasileiras, a indústria 4.0 causa profundas mudanças nas empresas como por exemplo,  modernização dos processos industriais, mão de obra qualificada, infraestrutura de tecnologia da informação e cultura organizacional.

Embora pareça ser um grande desafio e que envolverá um alto investimento e esforço das organizações, é uma realidade que já está acontecendo e não pode ser freada, o que coloca essa decisão como ponto crucial para tornar as indústrias nacionais competitivas em relação ao mercado global.

Nos próximos artigos, vamos abordar mais temas a este respeito, como o impacto no mercado de trabalho e novas profissões, dentre outros temas de relevância.

 

Referências: Fundação Instituto de Administração - FIA, Indústria 4.0 - Ministério da Indústria, Comércio e Serviços Governo Federal.

Assine nossa news para receber notícias e atualizações